close

O papel: rei absoluto dos relatórios anuais do setor premium

Último trimestre do ano. Momento de fechos, contas, avaliações e relatórios anuais. Tão importante é a reflexão que fazemos dentro de portas, como as conclusões que decidimos mostrar ao exterior. E o que mostramos deve ser dominado por um correto equilíbrio entre conteúdo e forma.

 

São muitas as empresas que, no encerramento das suas contas, optam por elaborar relatórios completos e elegantes em formato digital. Mas no requintado setor Premium e de luxo, as empresas e marcas apostam em formatos tangíveis que estejam à altura do esmero que revelam nos seus produtos e serviços. Para eles, o conteúdo é importante, mas a forma é o toque de distinção.

Estas marcas de topo continuam a optar pelo papel no momento da apresentação dos seus resultados, pois têm no seu ADN o carinho pela estética que faz parte da sua identidade corporativa. Para elas, os relatórios anuais em papel são o emblema de ouro que revela o seu sucesso e enaltece os resultados de doze meses de trabalho.

 

Mas algo está a mudar no mundo dos relatórios anuais. Não são apenas as grandes empresas, cotadas em bolsa ou não, que se rendem aos encantos de um relatório anual em papel. A tendência também está a crescer entre as médias e pequenas empresas, que priorizam a apresentação dos seus resultados para conquistarem os seus acionistas ou consolidarem a confiança dos seus fornecedores e clientes ou, inclusive, dos bancos com os quais negoceiam financiamentos.

Efetivamente, os relatórios anuais são poderosas ferramentas de marketing, que não só apresentam dados, como também conseguem transmitir a visão e filosofia da própria empresa. Grande parte dessa imagem é transmitida pelo papel escolhido como suporte. Uma escolha correta proporcionará uma impressão impecável e conseguirá transmitir a essência da empresa, dos produtos ou serviços que disponibiliza e do valor que a marca atribui à sua própria imagem.

 

O papel da capa e das páginas interiores e os restantes elementos estéticos – tipo de letra e símbolos, gráficos e imagens, maquetização e encadernação…- são o meio que as empresas de topo têm à sua disposição para gritarem aos quatro ventos onde e como querem posicionar-se no mercado.

Por isso, a imagem é essencial. E estamos no trimestre certo para pensarmos no que queremos contar sobre nós e na forma como o desejamos contar e apresentar. Porque a forma como o contamos e apresentamos diz muito mais sobre nós do que aquilo que imaginamos.

 

Créditos dos projetos

CNAP – Rapport d’activité 2012 do Centre National des Arts Plastiques. Design de The Shelf Company. Impresso em Materica Kraft 180 g. E Arcoprint Milk White 120 g.

Zumtobel Annual Report 2011-2012. Design de Brighten the Corners. Impresso em Sirio Pearl 220 g, Arcoprint Edizioni 1.7 130 g e Arcoprint Milk 100 g.

Solar Annual Report, 2011. Design de Serviceplan Gruppe. Impresso em Symbol Tatami Ivory 200 g.

OFFF Festival 2017 de OFFF Barcelona. Design de Outro studio com produção de I am Nuria. Impresso em Imitlin Nero E05 (capa) e Arcoprint Milk 120 g, Symbol Freelife Gloss 130 g e Arcoprint edizioni 1.7 70 g (interior).

 Generación encendida 2017 da Casa Encendida. Design de Jaime Narváez. Impresso em Arcoprint Milk White.

prev next